Mensagem do Bastonário

 

Caros colegas

É já um lugar-comum dizer que vivemos atualmente momentos únicos nas nossas vidas. Salvo aqueles que viveram em cenários de guerra, ninguém terá memória de uma situação de total confinamento, de distanciamento social, de enorme apreensão pela nossa saúde e pela dos nossos familiares, amigos e concidadãos.

Curiosamente, quando surgiu a epidemia da gripe das aves com o vírus influenza A, subtipo H5N1, de repente todo o Portugal se virou para os biólogos, a questionar onde estavam os ornitólogos que poderiam informar se bandos de aves asiáticas poderiam chegar ao nosso território e em que dia e a que horas chegariam. Afinal os ornitólogos já não eram aqueles amantes da natureza que passavam os seus dias contemplativamente olhando para o ar com binóculos ao peito, mas sim cientistas essenciais para o conhecimento das migrações das aves (como o voltaram a ser este ano na análise do impacto e dos riscos de um potencial novo aeroporto na zona do Montijo).

Neste momento em que vivemos, a sociedade (re)descobriu a importância dos biólogos, não só como profissionais de saúde, especialistas em análises clínicas e especialistas em genética humana; mas também dos muitos biólogos que trabalham em investigação nas áreas da virologia, microbiologia, genética molecular, bioquímica e muitas outras áreas do conhecimento, absolutamente essenciais para travarmos rapidamente esta dramática luta contra o vírus e contra o tempo. De repente tornou-se óbvio que são os biólogos, maioritariamente, quem sequencia o genoma dos isolados de vírus, que são maioritariamente biólogos que garantem o funcionamento destes laboratórios de análises e que são maioritariamente biólogos quem pode transmitir informação fiável e rigorosa sobre esta pandemia nos mais variados aspetos.

Quero por isso, em primeiro lugar, felicitar todos os colegas que, com enorme sentido de responsabilidade, muitas vezes colocando em risco a sua saúde e a de todos os seus, trabalham em Laboratórios de Estado, em empresas privadas de saúde, em inúmeros postos de trabalho que são essenciais para que todos possamos enfrentar esta difícil situação com a serenidade possível.

Quero também agradecer a todos os colegas que através de sites oficiais ou das redes sociais, têm fornecido informação útil, tranquilizadora (quando isso é aconselhável) ou de alerta (quando a situação assim o exige) a toda a população que é tantas vezes bombardeada com informação falsa, enganosa e demasiadas vezes prejudicial ao bom funcionamento das instituições. Bem hajam.

A Ordem dos Biólogos tem tido uma atitude responsável, cautelosa e focada na sua missão mais nobre que é a de colaborar para fornecer ao cidadão os melhores serviços possíveis, sejam eles de informação ou de cuidados de saúde, mas também de auxiliar os nossos membros e todos os que trabalham em Biologia, para que possam desenvolver a sua atividade em segurança e com a normalidade possível neste cenário.

Assim, temos divulgado as recomendações das autoridades oficiais de saúde; temos ajudado a divulgar informação de interesse para o funcionamento dos nossos profissionais; temos estado em contacto com as autoridades competentes para que os projetos de investigação e as bolsas e contratos de investigação não sejam prejudicados; temos participado em campanhas de informação ao público em geral e temos estado em permanente contacto com sua Ex.ª a Sr.ª Ministra da Saúde e com os serviços do Ministério para apoiar este esforço nacional que os nossos colegas estão a realizar.

Neste último ponto, temos estado presentes nas reuniões do Ministério com todas as Ordens da Saúde representadas no Conselho Nacional das Ordens Profissionais (Biólogos, Enfermeiros, Farmacêuticos, Médicos, Médicos Dentistas, Médicos Veterinários, Nutricionistas e Psicólogos), no sentido de encontrar soluções para os problemas e limitações que surgem diariamente aos profissionais e utentes. Uma das iniciativas que a Ordem dos Biólogos tomou (e que veio a ser replicada por outras instituições), foi a criação de uma Bolsa de Voluntários, constituída por profissionais dos mais variados setores, com experiência laboratorial na área e que possam disponibilizar algum do seu tempo para ajudar colegas dos laboratórios de análise e deteção do vírus, onde for mais necessário.

É com enorme orgulho e emoção que informo que nas primeiras 24 horas após o lançamento do formulário on-line tivemos 2360 inscrições, superando largamente as nossas expectativas mais otimistas. Neste momento, a menos de uma semana do início das inscrições, contam-se já 3200 candidaturas dos distritos de Aveiro, Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco. Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real, Viseu e das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Quero deixar um agradecimento muito particular aos nossos jovens: mais de 60% dos voluntários têm menos de 30 anos! Nestes anos de contacto com os muitos Núcleos de Estudantes de Biologia e com jovens biólogos nos laboratórios do país, eu aprendi que podemos sempre contar com os nossos jovens colegas que sempre dirão PRESENTE! Eles sabem o quanto eu os admiro e o quanto luto por eles. A minha confiança nesta nova geração é ENORME! Obrigado.

Infelizmente, a Ordem dos Biólogos viu-se obrigada a cancelar ou adiar muitas das suas atividades programadas e que não podiam ser transformadas em eventos virtuais. Desde a nossa Assembleia Geral (de resto, tal como a maioria das Ordens Profissionais o fez) até conferências organizadas por nós ou nas quais participávamos e até mesmo às Olimpíadas de Biologia, um evento que já conta atualmente com a participação de mais de vinte mil estudantes, tudo foi cancelado.

Mas sabemos que, solidariamente, iremos desempenhar com sucesso o nosso papel neste período crítico e saberemos tirar as nossas ilações e tomar consciência das nossas aprendizagens desta experiência. Saberemos lutar por melhores condições de trabalho para os profissionais que todos reconheceram ser insubstituíveis, saberemos valorizar ainda mais a relevância de boa ciência e de bons profissionais e saberemos mostrar que afinal é possível aplicar com sucesso muitos dos “Rs” pelos quais nos temos batalhado: Reduzir, Recusar, Reutilizar, Repensar, Reparar, Reintegrar, Reciclar aos quais podemos, após a presente experiência, juntar mais alguns: Respeitar (o Ambiente, os Cientistas, os Técnicos que estão na primeira linha do serviço Público); Recompensar (quem tanto está a dar pelos outros); Refletir (sobre tudo o que sucedeu e como nos podemos preparar melhor para o futuro); Resistir (e mostrar a nossa resiliência perante as adversidades) e finalmente… Relacionar: Para que possamos relacionar os dados com o conhecimento protegendo-nos para futuras situações adversas, mas acima de tudo, um voto para que o mais rapidamente possível nos voltemos a poder relacionar uns com os outros, menos virtualmente e mais pessoalmente, solidariamente.

Por agora, um enorme abraço virtual. Bem hajam.

Mantenham-se seguros e até (muito) breve

José António dos Santos Pereira de Matos, Bastonário